Início > Informações, Religião, Cristianismo, Montes Claros, Música, Vida Cristã, Gospel, Notícias, Mundo Cristão > Opinião. O que seria o amor? Os gregos tinham três palavras para descrever os níveis desse amor

Opinião. O que seria o amor? Os gregos tinham três palavras para descrever os níveis desse amor

Amor é…

 

(*) Alan Gefferson Assunção Taques

 

Este é um assunto muito popular. Nas conversas, nas novelas, no cinema, nas igrejas, as pessoas falam de amor… Dizem: “Eu te amo!”, “Eu amo a minha família!”, “Eu amo o meu carro!”, “Eu amo esta pizza!”, “Amei este filme…!” Os jornais descrevem “crimes amorosos” É óbvio que a palavra significa coisas diferentes. Porém, o amor verdadeiro é um conceito bíblico fundamental e o ingrediente mais importante para um casamento bem sucedido. Vamos entender isto melhor. Como a maturidade, o amor também é um processo! O amor verdadeiro é a mais bela expressão dessa maturidade e, como esta, é um processo, não um estado. Os gregos antigos tinham três palavras para descrever níveis diferentes de amor.

EROS

Aparece na literatura grega secular, não na Bíblia. É o amor totalmente humano, carnal, voltado para o sexo. (Daí a palavra erótico). Esse tipo de amor pode até incluir algum sentimento verdadeiro, mas é, basicamente, atração física, desejo sexual e expectativa de satisfação pessoal. O Eros apresenta-se como amor pelo outro, mas é amor por si próprio. Sua melhor declaração é “Eu amo você porque você me faz feliz”. Ou “Eu me sinto fortemente atraído por sua amabilidade (você me amará), por seu temperamento alegre (você me diverte), por sua beleza e sensualidade (você me dará prazer), por seu talento (eu me orgulho de você)!” Quando uma ou mais destas características desaparecem, o amor morre. Esse tipo de amor só quer receber. O pouco que ele dá, é com o intuito de receber em troca.

Infelizmente, muitos jovens escolhem o namorado (a) com base apenas no Eros. As relações físicas são antecipadas… Os namorados pensam que esse tipo de amor os manterá juntos. Mas isto geralmente não acontece. A ênfase exagerada no Eros (filosofia playboy) é responsável por um alto índice de casamentos desfeitos. Antes do pleno envolvimento físico, os pretendentes precisam se conhecer nas áreas mais importantes da alma e do espírito… O relacionamento sexual após o casamento será a coroação de um relacionamento consolidado, comprometido e crescente. Se você cometeu o erro de se casar na base do Eros apenas, aqui está uma boa notícia: o amor pode crescer. Não automaticamente, mas na medida em que você o cultivar. A única esperança para o seu casamento é ascensão aos níveis mais altos do amor.

PHILIA

Lida com a personalidade humana – o intelecto, as emoções e a vontade. Em português, a palavra mais próxima é amizade. Este é o grau de afeição que Pedro disse ter por Jesus em Jo 21. 15,16 – “Senhor, tu sabes que eu gosto de ti…”. Este amor ainda tem um pouco de egoísmo, mas é mais elevado do que Eros. Nesse nível, “nossa” felicidade é mais importante do que “minha” felicidade. Um casamento, para sobreviver, precisa crescer pelo menos até ao nível do philia. Se você é jovem e está pensando em se casar, você deve tomar tempo para verificar se gosta realmente da pessoa com quem pretende se unir para o resto da vida. Essa pessoa tem defeitos…

Você vê mais virtudes do que defeitos e gosta dessa pessoa o bastante para perdoá-la, ajudá-la e fazê-la feliz? Dizem que “o amor é cego!” Cuidado! O único amor cego é o Eros. Esse tipo de amor realmente fecha os olhos para as faltas, ri dos defeitos e racionaliza os problemas potenciais (a menos que a pessoa “amada” não seja interessante em seu aspecto físico). Philia honestamente encara os defeitos e decide se eles podem ser superados pelas virtudes. Philia é o meio caminho do amor verdadeiro – dá um pouco em troca de um pouco. Um casal pode viver razoavelmente bem com esse amor, enquanto cada um fizer a sua parte e as circunstâncias forem favoráveis. Porém, se um deles deixa de fazer a sua parte, ou se ocorrem adversidades, a amizade sofre. Philia não aguenta a pressão. Torna-se egoísta e exigente. A amizade vira inimizade. A única esperança para um casamento estável e feliz é o crescimento para um nível mais alto de amor.

AGAPE

Esse tipo de amor não é alimentado pelo mérito da pessoa amada, mas por Deus. Agape ama até mesmo quando a pessoa amada não é amável e não corresponde. Esse amor não busca a própria felicidade, mas a do outro; dá e não espera nada em troca. Há quem diga: “Mas isto não é possível, não é humano!” Tem razão. Ninguém pode amar desse jeito… a menos que Deus lhe dê esse tipo de amor.

Agape é amor divino! É o amor referido em Jo 3.13; Rm 5.8; I Jo 4.8-10. Esse amor é derramado pelo Espírito em nosso coração ( Rm 5.5). A partir daí, espera-se que o marido ame a esposa e a esposa ao marido, de verdade (Ef 5.25 e Tt 2.3-4). Não é fácil. Todos nós queremos ser amados! Nossos esforços neste sentido acabam dificultando ainda mais as coisas. À duras provas descobrimos que é preciso amar primeiro, com amor Agape. É assim que Deus faz conosco. Leia I Jo 4.19. Deus nos ama como somos… Observando e agradecendo seu amor por nós, aprendemos a amar de verdade. Além disso, “o fruto do Espírito é amor” (Gl 5.22).

O amor de verdade é (a) ordenado por Deus, para nos induzir; (b) exemplificado por Deus, para nos ensinar; (c) produzido por Deus, para nos capacitar. Assim como “nós amamos porque Deus nos amou primeiro”, o cônjuge amado, mais cedo ou mais tarde, responderá com amor. Amor gera amor! Ver Lc 6.38 e Gl 6.7. Como está seu relacionamento conjugal? Que tipo de amor levou você a se casar ou viver com esta pessoa com quem você está vivendo, Eros, Philia ou Agape? Se começou com Eros, você diria que a atração inicial tem crescido para os níveis superiores do Philia e do Agape? Não se esqueça: Quando damos amor, recebemos amor. Precisamos abrir nossos corações para o amor de Deus (Agape) e permitir que ele expresse este seu amor através de nós para o nosso cônjuge no casamento.

(*) Alan Gefferson Assunção Taques é Pastor da PIB Montes Claros-MG e articulista da Revista Conteúdo Cristão

(Adaptação de “Marriage is for Love”, R. Strauss, 1998, Biblical Studies – http://www.bible.org)

Anúncios
  1. Lupercio Campos Rodrigues
    agosto 9, 2012 às 10:37 PM

    Achei genial essa explicação sobre o amor,faltou falar da paixão…muitos fazem confusão entre amor e a paixão,é inclivel isso,muitos confunde,,tudo isso com sexo,mas o sexo,pode acontecer sem isso,só por tesão e boa,sem amor,paixão ou só por uma paixão…eu creio que quem ama de verdade,não faz sexo,faz amor…isso é o oposto da paixão,em todos os sentidos…a paixão só é o começo de tudo,no meu entender,simplório,a paixão não induz ao sexo,só ao amor e quem ama,repensa se deve ou não fazer sexo…sexo antes de qualquer coisa,não é bom,é só tesão e boa,ou só uma paixão,não amor,entendem…será que pode nascer algo bom disso,fazer sexo,por fazer,ou por tesão,ou uma paixão,por isso,que,quando se ama de verdade,o amor não induz ao sexo,não tem esse pretexto,chamado sexo…só amor e um amor verdadeiro,que repensa se deve ou não fazer sexo…quando se ama de verdade,pra que se fazer sexo,se o amor,é muito mais gostoso que sexo,é muito mais forte que o sexo,é muito mais tesão,que o sexo,é muito mais sentimento,que o sexo…o sexo é maravilhoso,mas o amor é divino,o sexo é intenso,mas o amor,nos leva ao céu…espero que eu seja bem compreendido aqui,em minhas palavras,pois são as mais sinceras possiveis,são verdadeiras e pautadas na fé em Cristo…

  1. No trackbacks yet.

Comente aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: