Só os loucos sabem…

chorão

Andrey Librelon

É o que dá ficar sem internet à noite e sem TV em casa. Fui surpreendido com a notícia das mortes do Chorão, vocalista do Charlie Brown Jr., e do presidente da Venezuela, Hugo Chavez, só hoje pela manhã. Mas a pergunta que fiz pra mim mesmo foi o que os dois têm em comum ou o que podemos aprender com ambos?

Penso que nada, mas por algum instante creio que muito se pode extrair da vida desses ‘camaradas’. Não sou Deus para fazer pré-julgamentos, mas Chorão foi um veemente apologista de drogas ilícitas. Isso ele deixou claro. A letra de suas músicas refletia isso, sua vida espelhava isso para os seus fãs.

Nem por isso elas (as letras) deixaram de provocar, mexer com muitos, colocar o dedo na ferida da sociedade brasileira. Enfim, ele foi um inquieto. Um artista inquietante que foi incompreendido por ele mesmo.

Na verdade, o triste na história do cantor, como de tantos outros como Cazuza, Renato Russo, Amy Winehouse e Kurt Cobain, o músico da baixada santista pode ter cantado e buscado o que não conseguiu viver intensamente: a paz interior. Acabou vivendo toda a sua vida, conturbada, em guerra. “Um homem quando está em paz não quer guerra com ninguém”, dizia uma de suas letras.

Acompanhei o Charlie Brown Jr. desde a minha adolescência. Curti muito o som dos caras. Foi ouvindo Zóio de Lula que aprendi meus primeiros acordes na guitarra. Som rebelde, palhetadas vibrantes e valorização bacana do contra-baixo, além, claro, de uma batera agressiva. Pra mim, “Transpiração Contínua Prolongada”, de 1997, e “Preço Curto… Prazo Longo, de 1999, foram os melhores álbuns do CBJr.

A morte, de quem quer seja, famoso ou não, serve sempre para reflexão de quem ainda vive e tem a oportunidade de viver diferente, melhor, ser exemplo para os outros. Estou falando de deixar legado. Qual o legado você quer deixar para os seus filhos, por exemplo?
As fotos de sua morte, divulgadas no final da tarde por UOL e R7, bastante macabras, revelaram a intimidade, as vísceras do dia-a-dia, uma vida de quem vive num mundo em guerra, em total desordem.

A inquietação de Chorão, emplacada em letras tão inspiradas, infelizmente, não passaram disso.

Ah, quanto ao Chavez, pesquise no Google sobre ditatura.

R.I.P Chorão

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Comente aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: